quarta-feira, 22 de maio de 2019

Quilograma tem Novo Padrão Matemático


Cilindro de platina e irídio guardado há 130 anos a três chaves em Sèvres é substituído por fórmula matemática, a constante de Planck

A boa notícia é que um quilo continua a pesar um quilograma. Melhor ainda é que uma fórmula matemática aprovada pela comunidade científica em novembro de 2018 passou a substituir, desde hoje, o cilindro de platina e irídio que servia como padrão há 130 anos. O novo padrão vigora a partir desta segunda-feira, 20, Dia Mundial da Metrologia.

O quilograma passa a ser definido pela constante de Planck, representada pela letra “h”, que relaciona a energia de um fóton com a sua frequência. Conhecida como “o grande quilo”, a unidade era até então definida pelo cilindro guardado em um cofre trancado a três chaves em Sèvres, nos arredores de Paris.

Devido às variações no padrão notadas pela comunidade científica, a solução encontrada foi substituir o objeto sólido pela fórmula matemática, considerada mais confiável. A decisão foi aprovada por unanimidade pelos representantes dos 60 Estados-membros do Escritório Internacional de Pesos e Medidas (BIPM), entre os quais o Brasil, em 16 de novembro de 2018, ao final de três dias de debate.Além do quilo, os cientistas também revisaram o ampere (unidade de medida da corrente elétrica), o kelvin (unidade de temperatura) e o mol (unidade utilizada para expressar a quantidade de matéria).

“É uma mudança radical de paradigma. Desde 1799, o sonho de estabelecer constantes universais para as unidades de medida esteve na mente de todos os físicos”, declarou a secretária-executiva do Comitê Consultivo de Unidades do BIPM, Estefanía Mirandés.Além da importância histórica, o “grande quilo” ainda possuirá uma utilidade científica, já que poderá servir para o estudo de suas variantes de massa e dos motivos pelos quais isso acontece.

INFORNATUS
 
 
 

quarta-feira, 23 de janeiro de 2019

A matemática e o Controle do Consumo de Água Residencial


Imagem da net
A ideia inicial dessa aula é conscientizar a população local, da necessidade de se economizar água, controlando os gastos internos e monitorando a conta através dos metros cúbicos gastos no período de trinta dias.  As turmas participantes terão que:

1.      Formar equipes chamadas de conscientizadoras;

2.      Com o apoio do professor, escolher bairro ou região para o trabalho;

3.      Ter responsabilidade nas obrigações exigidas pelo trabalho;

4.      Cumprir as tarefas e concluir o trabalho no tempo determinado.

Essa atividade proposta pode ser trabalhada com qualquer série do ensino fundamental, desde que os respectivos assuntos usados como pré-requisitos, sejam trabalhados e demonstrados aos alunos previamente. Essa atividade além de dotar os nossos alunos de um conhecimento matemático inovador, que será levado à prática diária, ira incentivar também o trabalho em equipe, além de conscientizar a comunidade escolhida de que ela poderá monitorar o próprio consumo de água, podendo dessa forma gerar a chamada “economia consciente”. 


O Trabalho


O nosso trabalho, surgiu da necessidade de mostrar a comunidade que utilizando a matemática e uma consciência séria a respeito da economia do consumo de água nas residências, é possível controlar os gastos com o consumo interno ou pelo menos ter ideia de quanto será o valor da próxima conta de água. A empresa responsável no estado pela cobrança dos serviços de água e esgotos do estado é a CAGEPA ( Companhia de Água e Esgotos da Paraíba), essa empresa nas residências que possuem rede de esgoto, cobra apenas uma taxa fixa do consumo de água, acrescentado de outro valor fixo referente a rede de esgoto, quando esse consumo vai até 10metros cúbicos. Lógico que se o consumidor fizer corretamente o monitoramento de seus gastos no hidrômetro de sua casa, terá obviamente um controle mais aproximado de seus gastos mensais de água.


Sobre a Atividade de Campo


Os assuntos que devem ser trabalhados antecipadamente à aplicação da atividade deverão ser:


1.      Unidades de medida de Volume

2.      Transformação das Unidades de Medida de Volume

3.      Transformação das unidades de Medida de Capacidade


Pois dessa forma, e com o conhecimento prévio desses assuntos, os alunos terão condições de explicar caso necessário aos moradores, o porquê de usar a unidade metro cúbico. Cada equipe previamente formada, ira abordar moradores em suas residências e de posse do material de pesquisa, explicara ao morador que mostrar interesse, a necessidade de economizar esse bem tão precioso, o professor de matemática poderá com o apoio do professor de ciências da mesma turma de preferência, elaborar folhetos que serão entregues aos moradores que participarem, dando dicas de economia caseira de água.


Em matemática, será solicitado ao morador, o último comprovante de consumo de água, para que seja explicado ao mesmo, onde está a informação referente a última contagem do consumo, e de acordo com o último consumo calcular quantos metros cúbicos ele ainda poderá consumir, para permanecer dentro da taxa mínima de consumo. Observando logo abaixo, temos uma conta consumo de unidade residencial, onde aparecem em destaque, a leitura do consumo anterior, a leitura do atual consumo. Podemos observar também a diferença entre os dois consumos num período de trinta dias. Encontramos também em destaque os valores cobrados por 10 metros cúbicos referentes ao esgoto e o consumo de água na residência.


 

Procedimentos Para Realização da Atividade

1.      Solicitar do Morador se possível à última conta paga da Cagepa;

2.      Mostrar ao morador, a localização exata na conta do consumo anterior, o atual, o cálculo da diferença e o número de dias referente ao consumo;

3.      Explicar ao morador, que de posse dos dados da última conta, e do registro atual do seu hidrômetro, ele poderá fazer um simples cálculo de subtração, e saber na hora quanto atualmente deverá ser o seu saldo devedor no momento;

4.      Explicar também que a companhia de água, cobra uma taxa específica, por consumo de 10m3(Metros cúbicos), e que esse valor é considerado valor mínimo pra uma residência;

5.      Esse Cálculo de valores para pagamento total é dado pela soma do valor cobrado em metros cúbicos, do consumo d’água, e o valor referente à taxa de esgoto.   


Observação:


Podemos observar que na conta exemplo, para 10 metros cúbicos, foram cobrados R$ 37,91 logo podemos concluir que, 1 metro cúbico de consumo equivale a R$3,791, também observamos que a taxa de esgoto cobrada, foi de R$30,33 pelos 10metros cúbicos, então por 1 metro Cúbico R$3,03. Logo se o consumo for de 11 m3 até 20m3, devemos adicionar aos metros cúbicos a mais dos 10 registrados, os seguintes valores por m3: No consumo R$ 4,89 de taxa adicional, e de esgoto R$3,91 de taxa adicional.


Como devem ser feitos os Cálculos:


Até 10 metros cúbicos


Diferença entre o atual registro do hidrômetro e o anterior x R$3,791 + Diferença entre o atual registro do hidrômetro e o anterior x R$ 3,03 = Valor do consumo atual.

V=valor a pagar, TC= taxa adicional de consumo de água= R$4,89 por m3, TE= taxa adicional da rede de esgoto=R$3.91por m3, DF= Diferença entre o atual registro do hidrômetro e o anterior,


A equação


V= 37,91+30,33, Para 10m3. Para valor inferior a 10m3 fazer: V= DFx3,791+DFx3,03

Caso a diferença seja de 11 a 20 metros cúbicos fazer assim:

V= 37,91+( TC)+30,33+(TE)     

Observações:

1- A Companhia de água e esgotos da Paraíba, não cobra valor diferenciado para consumo inferior a 10m3, ou seja, caso o consumo seja inferior a 10m3 será cobrado o mesmo valor da taxa citada acima. 

2- Nos Cálculos propostos acima não foi levado em consideração, as residências que não possuem a rede de esgoto, portanto, a mesma não deve ser cobrada, dessa forma nos cálculos de consumo onde as residências não possuam esse benefício, o mesmo não será levado em conta, ficando os cálculos restritos apenas ao consumo.



Imagem da net


INFORNATUS